CEM DONA LILI (Artigo 3)

CEM DONA LILI

Artigo 3 – 15 a 18 anos

AUGUST 17TH, 2018

By JOVENS REPÓRTERES DO MEIO AMBIENTE

A POLUIÇÃO NO RIO DAS OSTRAS DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ, SANTA CATARINA

O Rio Das Ostras é um pequeno rio que tem toda sua extensão na cidade de Balneário Camboriú, atravessando os bairros da Nova Esperança, São Judas Tadeu e Barra. Sua foz, que fica a menos quinhentos metros do mar, é no Rio Camboriú, o principal rio da cidade.

Os moradores mais antigos da região relatam que o rio já foi fonte de renda para muitos pescadores que retiravam ostras (daí o seu nome) peixes e caranguejos do local. Eles relatam ainda que o rio era usado para momentos de lazer, onde era possível tomar banho em suas águas até então transparentes.

Hoje, o rio sofre com muita poluição por onde passa. Esgoto clandestino, móveis, pneus, garrafas, latas, animais mortos, restos de poda e lixo doméstico de todo o tipo são jogados nas suas margens ou até mesmo nas suas águas.

Assim, o rio encontra-se totalmente poluído e já não serve mais como fonte de renda para nenhum pescador e nem como opção de lazer para os moradores do seu entorno. Além disso, toda essa poluição entope o rio e quando chuvas torrenciais atingem a região a água não tem por onde escoar, alagando principalmente o bairro da Barra. Duas enchentes recentes, uma em 2016 e uma em 2017, foram registradas nessa localidade, sendo que em 2016 as águas atingiram até a escola do bairro, o Centro Educacional Municipal Dona Lili. Os prejuízos financeiros causados pelas enchentes nunca foram estimados, porém os prejuízos morais podem ser relatados pelos moradores que contam com tristeza e indignação cada episódio vivido nesses dias.

Segundo a prefeitura municipal de Balneário Camboriú, ações de limpeza no rio são constantes. Em uma dessas ações vinte caminhões de lixo e entulho foram retirados do local. Em outra ação mais de trinta metros cúbicos de lixo foram contabilizados na limpeza. A vegetação das margens também sofre limpeza frequente a fim de retirar o mato e aumentar a vazão do rio nos períodos de chuva.

Mesmo com essas ações pode-se notar que o rio continua poluído. Muito lixo doméstico ainda é encontrado no local. O lançamento de esgoto clandestino também é muito evidente e contribui para acentuar a poluição.

Para que o rio volte a ser como há tempos atrás, as mudanças devem partir de todos os lados. Um trabalho em conjunto da população com o poder público pode gerar resultados positivos a curto e longo prazo.

A primeira medida deve partir da população que pode ajudar não jogando mais resíduos no rio, fiscalizando e denunciando quem pratica esse hábito.

Ações de informação e conscientização ambiental devem ser realizadas com os moradores do local, que muitas vezes acabam despejando algum resíduo no rio sem conhecer os outros meios que o município oferece para sua destinação. Alguns moradores não conseguem fazer relação entre um lixo despejado irregularmente no rio e a problemática das enchentes, por isso devem ser conscientizados.

Já o poder público deve continuar com as ações de limpeza no rio, fiscalizar e penalizar os poluidores. De imediato, deve-se fiscalizar e cobrar regulamentação dos canos que jogam o esgoto direto das casas no rio. Ao poder público cabe também a realização de obras de drenagem para que as águas das chuvas tenham o devido escoamento e obras de rede coletora de esgoto para tratamento.

Esse esforço em conjunto é necessário para que o Rio das Ostras seja revitalizado e o problema das enchentes seja resolvido.

Turma: 9° Ano

Autores:
ALEXSANDER JÚLIO REIS DA ROCHA
FILIPE FREITAS DE BIAZZI
GABRIELE FERNANDA CHORNOBAY
HENRIQUE BRUMATTI VIEIRA

Figura 1. Entulho jogado nas margens do Rio das Ostras

Figura 2. Garrafas PET, sacola plástica e restos de poda poluindo o rio

Figura 3. Água do Rio das Ostras poluída por esgoto doméstico