CEM DONA LILI – Article 1

PROJETO SUSTENTARTE, TRANSFORMANDO LIXO EM ARTE

A professora de Ciências Carmen Lúcia Testoni, do Centro Educacional Municipal Presidente Médice de Balneário Camboriú, cansada de ver sua escola como um espaço sem cor e sem vida, decidiu fazer um trabalho de revitalização em sua escola,reaproveitando vários tipos de materiais.

A ideia de criar um projeto para revitalizar a escola utilizando materiais que seguiriam para o lixo surgiu em 2016, mas a professora começou a trabalhar efetivamente no projeto no ano letivo de 2017. No início ela projetou contar com a ajuda de uma outra professora do Centro, que por motivos pessoais teve que abandonar o trabalho. Então ela decidiu começar o desenvolvimento de seu tão sonhado plano apenas com a ajuda de seus alunos, o que possibilitou colocar o projeto em prática. O nome escolhido foi “Projeto Sustentarte”.

O começo do desafio era transformar um paredão branco em algo mais colorido. Como a escola não dispõe de grandes espaços para a convivência dos alunos, uma parede grande toda pintada de branco acabava não harmonizando com o ambiente escolar que, segundo a professora, precisava ser mais vivo. A professora Carmem queria deixar o espaço escolar funcional, colorido e diferente. Para isso, ela focou em objetos com cores intensas e nas formas geométricas, sem simetria.

Num primeiro momento ela utilizou carcaças de ventiladores, que, devidamente tratadas, se tornaram uma linda peça de decoração. Duas gavetas de móveis descartados

foram transformadas em quadros decorativos. O conteúdo do interior variou entre bijuterias, laços, escova de cabelo e artigos de maquiagem, por exemplo, em uma gaveta

que remonta ao universo feminino. Gravata, pente, aparelho de barbear, cinto, vidros de produtos de higiene pessoal, entre outros, foram utilizados na outra gaveta, simbolizando o universo masculino. Assim, apenas com o reaproveitamento de materiais que iriam para o lixo, a professora começou a dar vida para o ambiente, utilizando o recurso da arte.

A utilização de plantas ornamentais também esteve muito presente no projeto de revitalização do ambiente. Para isso, a professora não mediu esforços em utilizar todos os materiais que foram aparecendo, sendo de doação ou até mesmo recolhido de depósitos irregulares de lixo espalhados pela cidade. Para possibilitar a utilização de plantas, a professora Carmen relatou que teve que comprar solo e algumas mudas.

Com um pouco de criatividade e muita dedicação, vários objetos simples de descarte foram transformados em floreiras. Isso inclui garrafas, latas e embalagens de isopor. Objetos inusitados como chapéus, tênis e sapatos velhos foram dispostos pendurados ou em prateleiras e também foram transformados em floreiras.

A professora também trabalhou com objetos de grande porte como paletes e materiais de demolição, incluindo três bacios de pia. Vários pneus foram utilizados no projeto, sendo na sua maioria transformados em verdadeiros canteiros para as mais diversas plantas ornamentais.

A horta da escola foi feita num sentido irregular e com cores variadas, com temperos plantados em potes de plástico. Morangos, por exemplo, foram plantados em embalagens de isopor de produtos eletrônicos que a escola recebera, e que foram personalizadas e depois dispostas em prateleiras na parede.

O espaço criado pela professora inclui ainda bancos feitos de madeira de palete e garrafas PET, e dessa forma permite que os alunos do Centro possam utilizar efetivamente o espaço revitalizado. “Esse projeto foi principalmente para os alunos. Eles aprenderam a admirar os objetos e assim ajudam a cuidar”, relata a professora.

A professora Carmen, que defende o reaproveitamento de materiais como uma forma de sustentabilidade, relata que “as escolas, em geral, descartam muito material, e que esse material todo poderia ter outro destino mais nobre”.

Os resultados, apesar de positivos, geraram críticas e elogios. Nada que desanimasse a professora a seguir em frente com o andamento do trabalho. A professora defende que o Projeto Sustentarte não aconteça só no seu Centro, mas que se expanda para outros Centros Educacionais, sempre ressaltando aos estudantes a importância de reaproveitar.

Atitudes como essa mostram que a sustentabilidade pode ser praticada em atitudes que não envolvem grandes custos. Uma boa ideia aliada a boa vontade são suficientes para fazer a diferença e ajudar o meio ambiente.

“Se você quer fazer uma decoração não há necessidade de comprar material, pelo contrário, reutilize… faça… crie” finaliza a professora Carmen.